ACORDA AMOR E CHAMA O LADRÃO

8 fev

Estava ouvindo agora Chico Buarque e me lembrei das músicas proibidas na época da Ditadura Militar.

Chico já tinha duas canções censuradas: “Cálice” e “Apesar de você”. Para não correr o risco de ter mais uma música presa na rede do sistema repressivo veio a idéia de criar “Julinho de Adelaide “.

Julinho na verdade era um pseudônimo criado pelo cantor na tentativa de enganar os agentes da censura. A música “Acorda amor” foi sua primeira tentativa. E deu certo.

Foram poucas letras que “Julinho” conseguiu escrever e obter a permissão dos censores. Mas uma reportagem de um jornal da época, flagrou a farsa do cantor.

É, depois daquelas tentativas, ficou muito mais difícil encarar “os homens”. A partir deste fato passou a ser necessária a apresentação de um documento de identidade dos compositores acompanhando a letra da música.

A letra de “Acorda Amor” retrata a cara da Ditadura. A sirene da polícia, os barulhos no portão… os passos na escada. Parecia pesadelo, mas foi assim que muitos homens e mulheres sumiram durante aquela época, principalmente em 1968, depois que o AI-5 passou a vigorar.

“Chame, chame, chame o ladrão” canta Chico. Um verdadeiro deboche de quem não confiava mais nem na polícia.

Em uma das partes mais emocionantes, Julinho de Adelaide, na frente do grande poeta Chico, pede: “depois de um ano eu não vindo ponha roupa de domingo e pode me esquecer”.

Muita gente ainda espera seus irmãos, amigos, namorados que ainda não voltaram…

ACORDA AMOR
Composição: Leonel Paiva/Julinho da Adelaide
Acorda amor
Eu tive um pesadelo agora
Sonhei que tinha gente lá fora
Batendo no portão, que aflição
Era a dura, numa muito escura viatura
Minha nossa santa criatura
Chame, chame, chame lá
Chame, chame o ladrão, chame o ladrão
Acorda amor
Não é mais pesadelo nada
Tem gente já no vão de escada
Fazendo confusão, que aflição
São os homens
E eu aqui parado de pijama
Eu não gosto de passar vexame
Chame, chame, chame
Chame o ladrão, chame o ladrão
Se eu demorar uns meses
Convém, às vezes, você sofrer
Mas depois de um ano eu não vindo
Ponha a roupa de domingo
E pode me esquecer
Acorda amor
Que o bicho é brabo e não sossega
Se você corre o bicho pega
Se fica não sei não
Atenção
Não demora
Dia desses chega a sua hora
Não discuta à toa não reclame
Clame, chame lá, chame, chame
Chame o ladrão, chame o ladrão, chame o ladrão
(Não esqueça a escova, o sabonete e o violão)

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: